sábado, 3 de outubro de 2009

Os Ritmos e Estilos Musicais

Bom dia pessoal!!!
Hoje, eu vou falar sobre um assunto que, geralmente, os cantores e ministros tem dúvida: "Os Ritmos e Estilos Musicais dentro da Igreja".
Boa leitura para todos!

Bem, é sabido que quando toca-se no assunto sobre ritmos e estilos, pisa-se em terreno muito delicado. É verdade que somos constantemente confrontados por alegações imprecisas, questionamentos sem fim e um sem número de afirmações ausentadas de embasamento bíblico ou científico. Com poucas dificuldades, encontramos pessoas classificando ou separando os ritmos, suas velocidades e variações, em algumas colunas, que de certo modo, demonstram a falta de sabedoria e instrução bíblica de seus "criadores"!

Pensando na sinceridade, na boa vontade e na busca pela verdade, é necessário que se responda às pessoas, os questionamentos: Deve haver um estilo musical padrão para usarmos na igreja? Podemos empregar cânticos mais "acentuados"? Há estilos dos quais Deus não goste? O que as Escrituras nos dizem à respeito? Bem, estas são algumas perguntas que pessoas têm nos questionado freqüentemente, que muitas vezes causam discussões e sem exagerar, divisões no Corpo de Cristo.

Antes de mais nada, vamos fazer um estudo do livro de Salmos, que é o chamado "cancioneiro da liturgia no Novo Testamento". Um estudo mais profundo nos leva a crer que existiam os salmos mais "agitados" e os mais "calmos", dependendo da ocasião. Evidentemente, entoar um salmo de tristeza em tempo de festa, nos parece incorreto, assim como, entoar um salmo de júbilo numa ocasião de adoração ou arrependimento, a mesma coisa. Aqui está um ponto crucial! Deve-se usar o bom senso para não haver incoerência na escolha dos cânticos. A inobservância deste aspecto pode nos levar a executar estilos musicais nas horas impróprias! Cânticos de alegria, podem e devem ser cantados em ocasiões alegres, assim como em outras situações, diferentes estilos.É impossível não nos vir à tona a questão do preconceito. Hoje em dia, ainda há muitas pessoas classificando os ritmos em diabólicos, macabros, impróprios, malignos, infernais e tudo o que for de ruim, mesmo sem ter conhecimento algum sobre o assunto ou mesmo sem conhecer a história do próprio ritmo. Li alguns dias atrás, num fórum de opiniões, um irmão que condenava o ritmo blues, dizendo que ele originava do paganismo. Quanta ignorância! De longe já se percebe que este irmão não conhece a história do blues e nem gostava do blues, por isso o condenava. Isto acontece com muitos outros estilos. Tem irmão até condenando a variação deles ou ritmos similares. Por exemplo: tem gente que gosta de jazz mas condena o blues, tem irmão que gosta de funk mas condena o rap, tem irmão que gosta de MPB mas condena o samba, etc.

Você consegue perceber alguma incoerência nisto?A nossa ojeriza quanto a alguns estilos musicais podem nos levar a tomar certas atitudes bobas e impensadas. Meditem comigo: é muito fácil a gente dizer que uma coisa é maligna quando a gente não gosta ou não concorda com ela. Seguindo a mesma idéia, é muito fácil uma pessoa dizer que o Rock não é de Deus, quando ela não gosta de Rock. Mas aí você pergunta: "Porque que o rock não é Deus?" aí o irmão "sabiamente" responde: "Não sei! Só sei que não é de Deus!". É um problema sério quando os irmãos não sabem discernir o "não gostar no estilo" (que varia de pessoa para pessoa), do estilo "diabólico" (como costumam tachar)!É necessário ressaltar que na Bíblia, NÃO há qualquer referência sobre ritmo "diabólico" ou ritmo que Deus não se agrade. Ela nem mesmo contém alguma história onde um ritmo foi consagrado ao Diabo ou utilizado apenas no paganismo. Na verdade, ela não esclarece este assunto em nenhum momento. Creio que Deus dá mais importância a outros aspectos (como a mensagem que a música trás, por exemplo) do que o ritmo em si. E aqui devemos relevar a inocência do ritmo. Ele é apenas um conjunto de batidas, ou a volta periódica de tempos fortes e fracos, que podemos executar até com nossas próprias palmas.

Você já imaginou alguém dizer que você está executando um ritmo "diabólico" com suas palmas??? Isto demonstraria um ato de infantilidade, de ingenuidade e de certo modo, engraçado!A questão da diferença de estilos entre as igrejas também deve ser tratada neste artigo, porque aqui mora um perigo. Muitos irmãos que acham que apenas os ritmos utilizados em suas igrejas são os corretos. São irmãos orgulhosos que muitas vezes acabam magoando outras pessoas, para defender seus gostos musicais, mesmo sem ter o menor embasamento bíblico. Teve um irmão que disse que só os hinos da harpa eram inspirados por Deus, o restante não. Veja a que ponto chegamos!!! Há igrejas que defendem o ritmo sertanejo, há outras que defendem o reggae, há outras que defendem o rock, e há outras que dizem que devemos entoar unicamente os cânticos que têm persistido por alguns séculos, como Aleluia, Foi na Cruz, etc. Muitos pensam que apenas estes ritmos são os certos, ou apropriados para usar na igreja. Mas todos devem saber que nos tempos bíblicos estes ritmos nem existiam... tudo era totalmente diferente do que temos hoje. Se formos fazer o "correto" deveríamos imitar a Davi que entoava cânticos em versos poéticos ou igual ao povo de Israel, onde os cantores faziam declarações de louvor e o povo respondia logo após (declaração e resposta), ou finalmente seguirmos a liturgia do Novo Testamento, cantando apenas os salmos, sem a presença de instrumentos musicais!!!Não existe um ritmo certo para se louvar a Deus!!! Ele nos permitiu ter toda essa variedade de batidas assim como a liberdade de escolher os ritmos mais apropriados para determinadas ocasiões: quebrantamento, júbilo, guerra...

Pode ter certeza que nenhuma igreja possui o estilo rítmico mais correto perante Deus e pode ter certeza de que isto não é uma das Suas grandes preocupações! Meu querido irmão, antes de terminar este artigo te peço que, se você tem alguma dúvida com relação aos ritmos que você utiliza em sua igreja, peça direção a Deus e espere a Sua resposta. E acrescento, se você não tem o mesmo gosto musical que o teu irmão tem, não entre em discussões sem fim, mas tenha paciência e aceite-o como ele é, pondo o amor de Cristo e o respeito acima de todas as diferenças que nós temos, inclusive as musicais!!!

Fiquem na Paz do Senhor!!!
Louvado seja Deus!!!

11 comentários:

  1. O post ficou bem grande. Mas ficou bem explicado. Quero pedir q vc comente sobre oq vc pensa a respeito desse assunto. Bye!

    ResponderExcluir
  2. A PAZ
    GOSTARIA DE FAZER UMA OBSERVAÇÃO.
    Sabemos que os ritmos foram criados e estão sendo criado pelo homem. Existe ritmos que foram criados para adorar a Deus, outros para agradar ao homem etc.
    Pergunto; Dentro da historia brasileira temos muitos ritmos criados dentro de rodas de cancoble,misticismo e outras religiões, e estes ritmos muita das vezes vem para dentro da igreja com letras bonitas e atraentes que falam de Deus só que cantadas com o ritmo de origem. Isso tem chegado como cheiro suave diante de Deus?
    wesley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz irmão! Desculpe-me pelo abandono do blog, mas não vou deixar de te responder.
      Você falou sobre a origem do ritmo. Como falei acima todos os ritmos foram criados por Deus. Se vc se lembrar Lúcifer era um querubim,um anjo responsável pelo louvor no céu. Logo, ele conhece os ritmos. Se os ritmos chegaram à inteligência do homem através de maus caminhos, na minha concepção, não nos impede de utilizarmos esses para criar canticos de louvor ao Senhor, sua verdadeira origem.

      Excluir
  3. GRAÇA E PAZ IRMÃOS
    TAMBÉM GOSTARIA DE FAZER UMA OBSERVAÇÃO.
    A maioria dos canticos que todos julgam ser "santos e corretos" diante de Deus (como hinos da harpa cristã) são tocadas no ritmo de bolero, valsa e outros... peço que antes que de julgarem um ritmo "santo" ou não, procurem pesquisar a origem desses ritmos. Posso garantir que nenhum foi criado por pastores ou ministros de louvor ou qualquer membro relacionado a uma igreja evangelica, então chego a conclusão que; não importa o ritmo, importa é que os verdadeiros adoradores adorem ao Pai em Espírito e em verdade.... abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então se tocar um fank na igreja é sinal que estão louvando á Deus ??? Que Deus é esse que se agrada ! Ipocritas !!

      Excluir
    2. Td licito mas nem td me convém. Claro que vc não vai cantar FUNK sabendo de sua origem ou intencionalmente só pra causar tumulto. Então não importa se vc canta um hino ou rap. Hj há vários filmes sobre esse assunto aconselho a assistir.

      Excluir
  4. graça e paz espero que nesses 5 anos o irmão tenha mudado de ideia pois vejo uma defesa inconsistente dos ritmos musicais espero que você não seja tão alienado ao ponto de não enxergar o obvio a palavra diz não vos conformeis com este seculo pois bem eu poderia te falar sobre a origem do samba por exemplo mas parece que voce acha que Deus criou os ritmos musicais todos. não duvido que louvem lá no céu mas longe de qualquer coisa parecida com esse louvor imperfeito daqui ainda mais quando alguém diz bolero valsa e outros comparados ao samba por exemplo que foi criado nos terreiros de candomblé com o propposito de adoração a demônios sem falar que é o principal simbolo da maior festa pagã do mundo o carnaval voçe disse que Deus criou os ritimos musicais que dia mesmo no oitavo ou nono nõa meu amigo as pessoas quando querem justificar suas fraquezas ou paixões começão a por a culpa em Deus a foi Deus quem criou. ja ouvi muito drogado disse se não fosse pra cheirar ou fumar o beber etc Deus não teria criado. A palavra nos exorta fugi da aparência do mal os ritmos tem sim influencia pois cada ritmo desperta certo sentimento e reação no ser humano alegria tristeza nostalgia euforia excitação e outros sentimentos ja ouviu falar sobre os filhos do fank em uma reportagem numa comunidade na mesma época 30 adolescentes gravidas todas em baile fank ja foi em algum eu ja asiste e te digo é so orgia de novo te digo a palavra nos exorta fugi da aparência do mal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em tempo e espaço com sua resposta!

      Excluir
    2. Concordo com vc,mas infelizmente somos minoria na minha congregação começaram a introduzir forró com danças iguais a do mundo,sensuais fui falar contra e a maioria ficou contra mim.Mas hoje igual vc falou tudo se justifica dizendo que foi Deus que criou.Lembra-me da frase que é constantemente dita por homossexuais que Deus é amor então toda forma de amor é permitido isso eles falam querendo justificar os atos pecaminosos.Da mesma maneira está acontecendo com a questão dos ritmos.Em algumas já comemoram até a festa junina.Isso é preocupante,não sei onde vamos parar.

      Excluir
  5. Bom dia.
    Dizer,que Deus criou todos os ritmos é complicado. Estamos sugerindo, que Ele também criou o pecado,o que não é verdade. Veja bem,Deus criou as notas musicais ? Sim,eu creio. O que o homem faz com elas,é outra coisa. Não se pode dar autoria a uma coisa originada no coração do homem e não de Deus. Dizer que estes ritmos que estão por ai são de Deus,é coisa do velho homem,pois se tudo foi criado por Ele,porque este conflito entre ritmos musicais? onde há conflito,vão me desculpar,não tem Deus no negócio. As pessoas cantam,o que elas sempre gostavam,isto não é mudança. Todos os ritmos são de boa fama,origem e etc. ? Foram criados ,primeiramente para agradar a Deus? RESPOSTA CERTA: NÃO.DEUS EM PRIMEIRO LUGAR E DEPOIS O PRÓXIMO,Não são estes os mandamentos preciosos.Vamos meditar na nova criatura,se houve verdadeira conversão,se não pense de novo.

    ResponderExcluir
  6. Sabemos hoje que a influência de um ritmo e de uma harmonia musical é muito poderosa sobre a mente humana. Já se usa a terapia de música como uma forma muito eficaz no tratamento do autismo e outras doenças especiais. A letra da música diga-se de passagem não altera a capacidade de ação desses ritmos agindo sobre o comportamento humano, personalidade e até regiões ligadas a felicidade e ao sexo. Mesmo assim eu gostaria de saber se realmente todo tipo de ritmo deve ser aplicado dentro das igrejas? Se por ventura alguns deles não exercem influência sobre os fiéis de uma forma diferente de outros e se isso não pode ensejar em um comportamento diferente ao que a doutrina santa ensina? T+ Abç!

    ResponderExcluir